Curosurf

Nome genérico: alfa poractante
Forma de dosagem: suspensão intratraqueal
Classe de drogas: Surfactantes pulmonares

Nesta página
Expandir

Indicações e Uso do Curosurf

Curosurf®(poractante alfa) Suspensão Intratraqueal é indicado para o tratamento de resgate da Síndrome do Desconforto Respiratório (SDR) em prematuros. Curosurf reduz a mortalidade e pneumotórax associados à SDR.



Dosagem e Administração de Curosurf

2.1 Instruções Importantes de Administração

Apenas para administração intratraqueal.

Curosurf deve ser administrado por ou sob a supervisão de médicos experientes em intubação, manejo de ventilador e cuidados gerais de bebês prematuros. Antes de administrar Curosurf, certifique-se de que o tubo endotraqueal está bem posicionado e desobstruído. A critério do clínico, o tubo endotraqueal pode ser aspirado antes de administrar Curosurf. Permita que a criança se estabilize antes de prosseguir com a dosagem.

Administre o Curosurf:

  • Por via intratraqueal por instilação em duas alíquotas divididas através de um cateter de 5 orifícios terminais French ou
  • Intraquealmente em bolus único através do lúmen secundário de um tubo endotraqueal de duplo lúmen sem interromper a ventilação mecânica.

2.2 Dosagem Recomendada

A dose inicial recomendada é de 2,5 mL/kg de peso ao nascer, administrada em uma ou duas alíquotas, dependendo do procedimento de instilação[ver Dosagem e Administração ( 2.4 )].

Até duas doses repetidas de 1,25 mL/kg de peso ao nascer cada uma podem ser administradas em intervalos de aproximadamente 12 horas em lactentes nos quais a SDR é considerada responsável por seu estado respiratório persistente ou deteriorado. A dose total máxima recomendada (soma da dose inicial e até duas doses repetidas) é de 5 mL/kg.

2.3 Preparação da Suspensão Curosurf

  1. Retire o frasco de suspensão de Curosurf do refrigerador a +2°C a +8°C (36°F a 46°F) e aqueça lentamente o frasco até a temperatura ambiente antes de usar.
  2. Inspecione visualmente a suspensão Curosurf quanto à descoloração antes da administração. A cor da suspensão Curosurf deve ser branca a branca cremosa. Descarte o frasco de Curosurf se a suspensão estiver descolorida.
  3. Vire suavemente o frasco de cabeça para baixo, a fim de obter uma suspensão uniforme. NÃO AGITE.
  4. Localize o entalhe (FLIP UP) na tampa plástica colorida e levante o entalhe e puxe para cima.
  5. Puxe a tampa plástica com a parte de alumínio para baixo.
  6. Remova todo o anel puxando o invólucro de alumínio.
  7. Remova a tampa de borracha para extrair o conteúdo.
  8. Os frascos não abertos e não utilizados de suspensão de Curosurf que foram aquecidos à temperatura ambiente podem ser devolvidos ao armazenamento refrigerado dentro de 24 horas para uso futuro. Não aqueça à temperatura ambiente e retorne ao armazenamento refrigerado mais de uma vez. Proteja da luz.

2.4 Administração

Para instilação de tubo endotraqueal usando um cateter de 5 orifícios de extremidade French

  1. Retire lentamente todo o conteúdo do frasco de suspensão de Curosurf para uma seringa de plástico de 3 ou 5 mL através de uma agulha de calibre grande (por exemplo, pelo menos calibre 20). Insira cada frasco de uso único apenas uma vez.
  2. Conecte o cateter de 5 orifícios de extremidade French de comprimento apropriado para posicionar a ponta do cateter proximal à porção distal do tubo endotraqueal, na seringa. Encha o cateter com a suspensão Curosurf. Descarte o excesso de Curosurf pelo cateter para que apenas a dose a ser administrada permaneça na seringa.
    • Para a primeira dose: 1,25 mL/kg (peso ao nascer) por alíquota
    • Para cada dose repetida: 0,625 mL/kg (peso ao nascer) por alíquota
  3. Primeira alíquota da suspensão do Curosurf:
    1. Posicione o lactente em posição neutra (cabeça e corpo alinhados sem inclinação), com o lado direito ou esquerdo dependente.
    2. Imediatamente antes da administração de Curosurf, ventile a criança com oxigênio suplementar suficiente para manter a SaOdois> 92%.
    3. Insira o cateter no tubo endotraqueal e instile a primeira alíquota da suspensão Curosurf.
    4. Após a primeira alíquota ser instilada, remova o cateter do tubo endotraqueal e ventile manualmente com oxigênio suplementar até clinicamente estável.
  4. Segunda alíquota da suspensão do Curosurf:
    1. Quando o bebê estiver estável, reposicione o bebê de modo que o outro lado fique dependente.
    2. Administrar a alíquota restante usando os mesmos procedimentos da primeira alíquota.
  5. Após a conclusão do procedimento de dosagem, não aspire as vias aéreas por 1 hora após a instilação de surfactante, a menos que ocorram sinais de obstrução significativa das vias aéreas[ver Estudos Clínicos ( 14.1 )].

Para instilação de tubo endotraqueal usando o lúmen secundário de um tubo endotraqueal de lúmen duplo

  1. Retire lentamente todo o conteúdo do frasco de suspensão de Curosurf para uma seringa de plástico de 3 ou 5 mL através de uma agulha de calibre grande (por exemplo, pelo menos calibre 20). Não conecte 5 cateteres de orifício final French. Remova a agulha e descarte o excesso de Curosurf para que apenas a dose a ser administrada permaneça na seringa.
  2. Mantenha a criança em posição neutra (cabeça e corpo alinhados sem inclinação).
  3. Administrar a suspensão Curosurf através da extremidade proximal do lúmen secundário do tubo endotraqueal em dose única, administrada durante 1 minuto e sem interromper a ventilação mecânica.
  4. Após a conclusão deste procedimento de dosagem, o gerenciamento do ventilador pode exigir aumentos transitórios da FiOdois, frequência do ventilador ou PIP. Não aspire as vias aéreas por 1 hora após a instilação de surfactante, a menos que ocorram sinais de obstrução significativa das vias aéreas.

Formas de dosagem e pontos fortes

Suspensão intratraqueal: Curosurf (poractante alfa) é uma suspensão branca a cremosa disponível em:

  • Frascos de dose única de 120 mg/1,5 mL (80 mg/mL)
  • Frascos de dose única de 240 mg/3 mL (80 mg/mL)

Contra-indicações

Nenhum.

Avisos e Precauções

5.1 Mudanças Agudas na Oxigenação e Conformidade Pulmonar

A administração de surfactantes exógenos, incluindo Curosurf, pode afetar rapidamente a oxigenação e a complacência pulmonar. Portanto, os lactentes que recebem Curosurf devem receber avaliações clínicas e laboratoriais frequentes para que o oxigênio e o suporte ventilatório possam ser modificados para responder às alterações respiratórias. Curosurf só deve ser administrado por pessoas treinadas e experientes no cuidado, ressuscitação e estabilização de bebês prematuros.

dilantin dlouhodobé vedlejší účinky

5.2 Reações Adversas Relacionadas à Administração

As reações adversas transitórias associadas à administração de Curosurf incluem bradicardia, hipotensão, bloqueio do tubo endotraqueal e dessaturação de oxigênio. Esses eventos exigem a interrupção da administração de Curosurf e a tomada de medidas apropriadas para aliviar a condição. Depois que o paciente estiver estável, a dosagem pode prosseguir com monitoramento apropriado.

Reações adversas

6.1 Experiência em Ensaios Clínicos

Como os estudos clínicos são conduzidos em condições muito variadas, as taxas de reações adversas observadas nos estudos clínicos de um medicamento não podem ser comparadas diretamente com as taxas nos estudos clínicos de outro medicamento e podem não refletir as taxas observadas na prática.

Reações Adversas em Estudos em Prematuros com Síndrome do Desconforto Respiratório

Os dados de segurança descritos abaixo refletem a exposição ao Curosurf em uma dose única de 2,5 mL/kg (200 mg/kg), em 78 lactentes de 700-2000 gramas de peso ao nascer com SDR exigindo ventilação mecânica e FiOdois≧ 0,60 (Estudo 1)[ver Estudos Clínicos ( 14.1 )].Um total de 144 bebês foram estudados após o desenvolvimento da SDR e antes das 15 horas de idade; 78 lactentes receberam Curosurf 2,5 mL/kg dose única (200 mg/kg), e 66 lactentes receberam tratamento controle (desconexão do ventilador e ventilação manual por 2 minutos).

As reações adversas transitórias observadas com a administração de Curosurf incluíram bradicardia, hipotensão, bloqueio do tubo endotraqueal e dessaturação de oxigênio. As taxas das complicações graves mais comuns associadas à prematuridade e SDR observadas no Estudo 1 são mostradas na Tabela 1.

Tabela 1: Complicações Graves Mais Comuns Associadas à Prematuridade e SDR no Estudo 1

Curosurf 2,5 mL/kg

n=78

AO CONTROLE*

n=66

Pneumonia Adquirida

17%

vinte e um%

Septicemia Adquirida

14%

18%

Displasia broncopulmonar

18%

22%

Hemorragia intracraniana

51%

64%

Patente do canal arterial

60%

48%

Pneumotórax

vinte e um%

36%

Enfisema Intersticial Pulmonar

vinte e um%

38%

*Pacientes controle foram desconectados do ventilador e ventilados manualmente por 2 minutos. Nenhum surfactante foi instilado.

Setenta e seis bebês (45 tratados com Curosurf) do estudo 1 foram avaliados com 1 ano de idade e 73 bebês (44 tratados com Curosurf) foram avaliados com 2 anos de idade para avaliar possíveis reações adversas de longo prazo. Os dados das avaliações de acompanhamento para peso e comprimento, sintomas respiratórios persistentes, incidência de paralisia cerebral, deficiência visual ou deficiência auditiva foram semelhantes entre os grupos de tratamento. Em 16 pacientes (10 tratados com Curosurf e 6 controles) avaliados aos 5,5 anos de idade, o quociente de desenvolvimento, obtido usando as Escalas de Desenvolvimento Mental de Griffiths, foi semelhante entre os grupos.

6.2 Imunogenicidade

Estudos imunológicos não demonstraram diferenças nos níveis de complexos imunes surfactante-anti-surfactante e anticorpos anti-Curosurf entre pacientes tratados com Curosurf e pacientes que receberam tratamento de controle.

6.3 Experiência pós-comercialização

Hemorragia pulmonar, uma complicação conhecida de parto prematuro e muito baixo peso ao nascer, foi relatada tanto em ensaios clínicos com Curosurf quanto em notificações de eventos adversos pós-comercialização em bebês que receberam Curosurf.

USO EM POPULAÇÕES ESPECÍFICAS

8.4 Uso Pediátrico

A segurança e eficácia do Curosurf para o tratamento de resgate, incluindo a redução da mortalidade e pneumotórax, da Síndrome do Desconforto Respiratório (SDR) foram estabelecidas em prematuros e as informações sobre esse uso são discutidas ao longo da bula.

A segurança e eficácia de Curosurf no tratamento de lactentes a termo ou pacientes pediátricos idosos com insuficiência respiratória não foram estabelecidas.

Superdosagem

Não houve relatos de superdosagem após a administração de Curosurf.

Em caso de superdosagem acidental, e se houver efeitos clínicos claros na respiração, ventilação ou oxigenação do lactente, aspire o máximo possível da suspensão e forneça ao lactente tratamento de suporte, com atenção especial ao equilíbrio hidroeletrolítico.

Descrição do Curosurf

O Poractant alfa é um extrato de surfactante natural de pulmão (pulmonar) porcino que consiste em 99% de lipídios polares (principalmente fosfolipídios) e 1% de proteínas associadas a surfactante hidrofóbico de baixo peso molecular (SP). O peso molecular de SP-B é de 8,7 KDa e o peso molecular de SP-C é de 3,7 KDa.

A suspensão intratraqueal de Curosurf (poractant alfa) é uma suspensão estéril, branca a branca cremosa, fornecida em um frasco de dose única para uso intratraqueal. Cada mililitro de suspensão contém 80 mg de alfa poractante (extrato surfactante) que inclui 76 mg de fosfolipídios e 1 mg de SP, dos quais 0,45 mg é SP-B, uma proteína de 79 aminoácidos e 0,59 mg é SP-C, um 35 -peptídeo de aminoácidos. A quantidade de fosfolípidos é calculada a partir do teor de fósforo e contém 55 mg de fosfatidilcolina dos quais 30 mg é dipalmitoilfosfatidilcolina. É suspenso em solução de cloreto de sódio a 0,9%. O pH é ajustado com bicarbonato de sódio a um pH de 6,2 (5,5 a 6,5).

Curosurf não contém conservantes.

Curosurf - Farmacologia Clínica

12.1 Mecanismo de Ação

O surfactante pulmonar endógeno reduz a tensão superficial na interface ar-líquido dos alvéolos durante a ventilação e estabiliza os alvéolos contra o colapso nas pressões transpulmonares de repouso. A deficiência de surfactante pulmonar em recém-nascidos prematuros resulta na Síndrome do Desconforto Respiratório (SDR) caracterizada por má expansão pulmonar, troca gasosa inadequada e colapso gradual dos pulmões (atelectasia).

O Curosurf compensa a deficiência de surfactante e restaura a atividade de superfície dos pulmões desses bebês.

12.2 Farmacodinâmica

Em vitro- Curosurf reduz a tensão superficial mínima para ≦ 4mN/m conforme medido pelo Wilhelmy Balance System.

12.3 Farmacocinética

Curosurf é administrado diretamente no pulmão, onde ocorrem efeitos biofísicos na superfície alveolar. Não foram realizados estudos farmacocinéticos humanos para caracterizar a absorção, biotransformação ou eliminação de Curosurf.

Toxicologia não clínica

13.1 Carcinogênese, Mutagênese, Prejuízo da Fertilidade

Não foram realizados estudos para avaliar os potenciais efeitos cancerígenos do Curosurf.

A alfa poractante foi negativa para genotoxicidade nos seguintes ensaios: ensaio de mutação reversa bacteriana (teste de Ames), ensaio de mutação genética em células V79 de hamster chinês, ensaio de aberração cromossômica em células de ovário de hamster chinês, síntese de DNA não programada em células HELA S3 e camundongo in vivo ensaio de micronúcleo.

Não foram realizados estudos para avaliar os efeitos reprodutivos do Curosurf.

Estudos clínicos

14.1 Tratamento de Resgate da Síndrome do Desconforto Respiratório

A eficácia clínica do Curosurf no tratamento da Síndrome do Desconforto Respiratório (SDR) estabelecida em bebês prematuros foi demonstrada em um estudo de dose única (Estudo 1) e em um estudo de dose múltipla (Estudo 2) envolvendo aproximadamente 500 bebês. Cada estudo foi randomizado, multicêntrico e controlado.

No estudo 1, prematuros de 700 a 2.000 gramas de peso ao nascer com RDS necessitando de ventilação mecânica e FiOdois≧ 0,60 foram inscritos. Curosurf 2,5 mL/kg dose única (200 mg/kg) ou controle (desconexão do ventilador e ventilação manual por 2 minutos) foi administrado após o desenvolvimento da SDR e antes das 15 horas de idade. Os resultados do Estudo 1 são mostrados abaixo na Tabela 2.

Tabela 2: Resultados do Estudo 1 em Bebês Prematuros com Síndrome do Desconforto Respiratório

Parâmetro de eficácia

Dose única

Curosurf

n=78

Ao controle

n=67

Valor p

Mortalidade em 28 dias (todas as causas)

31%

48%

≦0,05

Displasia Broncopulmonar*

18%

22%

N.S.

Pneumotórax

vinte e um%

36%

západní oddělení 473

≦0,05

Enfisema Intersticial Pulmonar

vinte e um%

38%

≦0,05

*Displasia broncopulmonar (DBP) diagnosticada por radiografia positiva e dependência de oxigênio suplementar aos 28 dias de vida.

N.S.: não estatisticamente significativo

No Estudo 2, prematuros de 700 a 2.000 g de peso ao nascer com RDS necessitando de ventilação mecânica e FiOdois≧ 0,60 foram inscritos. Neste estudo de dois braços, o Curosurf foi administrado após o desenvolvimento da SDR e antes das 15 horas de idade, em dose única ou em doses múltiplas. No braço de dose única, os bebês receberam Curosurf 2,5 mL/kg (200 mg/kg). No braço de doses múltiplas, a dose inicial de Curosurf foi de 2,5 mL/kg seguida de até duas doses de 1,25 mL/kg (100 mg/kg) de Curosurf. Os resultados do Estudo 2 são mostrados abaixo na Tabela 3.

Tabela 3: Resultados do Estudo 2 em Bebês Prematuros com Síndrome do Desconforto Respiratório

Parâmetro de eficácia

Dose única

Curosurf

n=184

Avaliar (%)

Dose múltipla

Curosurf

n=173

Avaliar (%)

Valor p

Mortalidade em 28 dias (todas as causas)

vinte e um

13

0,048

Displasia Broncopulmonar*

18

18

N.S.

Pneumotórax

17

9

0,03

Enfisema Intersticial Pulmonar

27

22

N.S.

*Displasia broncopulmonar (DBP) diagnosticada por radiografia positiva e dependência de oxigênio suplementar aos 28 dias de vida.

N.S.: não estatisticamente significativo

Não há experiência controlada sobre os efeitos da administração de doses iniciais de Curosurf diferentes de 2,5 mL/kg (200 mg/kg), doses subsequentes diferentes de 1,25 mL/kg (100 mg/kg), administração de mais de três doses totais, dosagem mais frequente do que a cada 12 horas, ou iniciar a terapia com Curosurf mais de 15 horas após o diagnóstico de SDR. Não estão disponíveis dados adequados sobre o uso de Curosurf em conjunto com terapias experimentais de RDS, por exemplo, ventilação de alta frequência ou oxigenação por membrana extracorpórea.

Como é fornecido/armazenamento e manuseio

A suspensão intratraqueal de Curosurf (poractante alfa) é uma suspensão branca a branca cremosa disponível em frascos de vidro transparente estéreis com rolha de borracha contendo (um frasco por embalagem):

  • 120 mg/1,5 mL (80 mg/mL) poractante alfa (extrato de surfactante) da suspensão: Número NDC: 10122-510-01
  • 240 mg/3 mL (80 mg/mL) de poractante alfa (extrato de surfactante) de suspensão. Número NDC: 10122-510-03

Armazene a suspensão intratraqueal de Curosurf em geladeira a +2°C a +8°C (36°F a 46°F). PROTEGER DA LUZ. Não agite. Os frascos são apenas para dose única. Após abrir o frasco, descarte a porção não utilizada[ver Dosagem e Administração ( 23 )].

Fabricado por:

Chiesi EUA, Inc.

Cary, NC 27518

Licença dos EUA nº 2150

Fabricado em e licenciado de:

Chiesi Farmaceutici, S.p.A.

Parma, Itália 43100

co je pliva 334

CTC-007-0320-03-SPL

Curosurf
suspensão de alfa poractante
informação do produto
Tipo de Produto RÓTULO DE MEDICAMENTO DE PRESCRIÇÃO HUMANA Código do item (Fonte) NDC: 10122-510
Via de administração ENDOTRAQUEAL Cronograma DEA
Ingrediente Ativo/Porção Ativa
Nome do ingrediente Base de Força Força
PORACTANTE ALFA (ALFA PORACTANTE) PORACTANTE ALFA 80 mg em 1 mL
Ingredientes inativos
Nome do ingrediente Força
CLORETO DE SÓDIO
BICARBONATO DE SÓDIO
Embalagem
# Código do item Descrição do pacote
1 NDC: 10122-510-01 1,5 mL em 1 FRASCO, VIDRO
dois NDC: 10122-510-03 3,0 mL em 1 FRASCO, VIDRO
Informações de marketing
Categoria de marketing Número do Pedido ou Citação da Monografia Data de início do marketing Data de término de marketing
BLA BLA020744 18/11/1999
Rotuladora -Chiesi USA, Inc. (088084228)
Registrante -Chiesi USA, Inc. (088084228)
Chiesi EUA, Inc.